Não fosse isso.

Publicado: 18/04/2011 em Crônicas, Do peito
Tags:, ,

não fosse isso / e era menos
não fosse tanto / e era quase
Paulo Leminski

Muitas vezes a pior coisa que faço é dar início a algo, embora esse algo simplesmente comece e quando dou por mim já me parece absurda a nova percepção das coisas quando comparo o novo pensamento com aquele de pouco tempo atrás. Passo então a me ver totalmente envolvido e me desapegar não é mais assim tão fácil, mesmo quando concluo que não existe afinidade, nem vontade de compartilhar algo futuro. Nem mesmo estar junto é assim tão bom, com exceção dos momentos em que não é preciso dizer nada e basta deixar o corpo agir por si. Assistir isto se tornar o nosso pilar e acreditar que seria fácil de desconstruir foi um erro. Como também foi não entender que o problema seria, em uma nítida repetição de outras vezes, a falta de uma definição clara entre o que acho e o que realmente acontece.

Ajo por impulso e digo um monte de coisas, mas logo depois paro para pensar, diante do fim iminente, sobre o que realmente me incomoda. Deveriam ser a palavras ditas, agora e antes, já que estamos zangados e dizemos coisas que não queremos ou que queremos apenas para magoar, mas não é isso. Deveria ser o medo de ficar só, mas se nunca esteve realmente presente, isso também não se torna um motivo definitivo. Talvez seja o ego, por querer que a outra pessoa simplesmente implore para não deixar para lá, embora ela apenas diga “tudo bem!” e diga “obrigada, adeus!”, mas não é a primeira vez que escuto isso, apesar de ser a primeira vez que isto me incomoda tanto e embora pareça que antes eu sabia, agora eu já não sei mais.

Sei que deixo tudo confuso quando digo que está tudo errado, que não tem sentido, que a base está ruindo e que isto é o certo. Digo tudo de forma clara, palavra por palavra. Digo tudo o que quero para provar um ponto de vista que acredito, mas não queria acreditar, e cinco minutos depois eu já me arrependi e quero voltar atrás, mas parece que não dá mais, pois ela desistiu. Desistiu não só de nós dois, mas também de me entender, de me aceitar como sou, pois sou cansativo e dramático e patético. Mas eu sempre lutei pelo que quis então eu queria sentir que a pessoa também luta por nós, mas quando ela diz não em um silêncio insuportável e deixa pra lá isso me dói e então a chamo de covarde e digo que é muito mais fácil fugir. Mas eu sei que no fim o covarde sou eu por afirmar algo de maneira tão certa e logo após me arrepender e voltar atrás apenas porque não aconteceu o que eu gostaria que acontecesse.

Um covarde.

Ela me diz que dói e eu digo que me dói também. Tento, sem saber bem porque, encontrar as palavras corretas, inversas as que disse a pouco, para ter de volta algo que provavelmente não quero mais. Mas não sou eu quem diz tudo o que eu precisava dizer, e quando escuto sinto raiva e a odeio e a quero longe de mim. Mas ela está certa, para que manter quando se pode evitar? Para que fingir que será um tempo feliz, quando sequer conseguimos evitar nos magoarmos quando estamos presentes?

Anúncios
comentários
  1. Aninha disse:

    Muito bom, Manoel!

    Angústias do falar e do dizer. Quantas e quantas vezes pensamos: eu devia ter dito isso! E muitas vezes a luta é em vão.

  2. Débora disse:

    Meu jeito de matar essa saudade de você. Vou citar um dos teus textos em um trabalho. Posso?

  3. Yasmin disse:

    Gostei do seu blog.

  4. ahoradoocio disse:

    E aí, Deb. Citou?

    Yasmin, obrigado. Espero que goste dos próximos, apesar de esporádicos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s